quinta-feira, 6 de setembro de 2012

o fim e o começo.


Nos confins da Terra , uma mulher chorando .. enchendo o mar que desafia o homem. ~
Vento que sopra, vida que se acovarda ..
perdido em meio ao nada de suas expectativas, sua consciência assim se mantém.
Como um condenado a carregar sua âncora por uma eternidade punitiva em que o mar tenta tirar .. chuva que não se vai, noite que não termina, para que tanto esperar?
Memórias de um sem nome , por muito tempo seguiu sem entender .. um erro da natureza que ela tanto faz questão de não apagar.
Capitão de almas, velejador de pesadelos guiado à tons sombrios, tempestade abre seu caminho .. é preciso seguir.
Devoção. Prisão.
-
O choro não cessa.
Mulher, és mesmo quem se diz ser?
Não percebes sua verdadeira face?
Porque choras pela escuridão que você mesma causou?
Sereia pelo encantamento, serpente pelo veneno.
Cante ..
Hipnotiza, envolve, devora.
Porque choras?
-
Viajante se apaixonou por um anjo e viu um demônio lhe amar.
Desejos têm seu preço .. você tem uma dívida a pagar, marujo.
Costas feridas, cicatrizes que nunca podem se fechar .. o mar continua a te levar em meio a destruição, com mil tormentas fez sua morada.
Cada pequena palavra cravada para sempre lhe lembrar, constante perfeição de sua solidão para lhe assombrar, frio e distante de qualquer paz interior.
Coração anestesiado, será este inverno uma imaculação do que lhe resta?
-
Sinto você em meio a névoa.
Navegando em meus pecados, sinto sua dor, seu terror, a beleza de seu mistério.
Profundezas de um oceano obscuro me chama como um coral de almas mais uma vez ..
que laço nos une? sou sua esperança?
Deixe-me lhe ver criatura assombrada. Deixe-me ver o que fizeram com você, me leve em sua jornada.
Orgulho ferido, inocência perdida.
Sei que vejo mais do que os olhos podem ver ..
E ser mais do que devia ser ..
-
Meu mundo amanhece e acordo feito brasa, um grito, um arranhão, uma aura em colapso ..
.. criatura retorna para sua tragédia, segue com sua maldição me carregando em pensamentos.
Até sua noite chegar à mim novamente, estarei emanando a luz que me escapa constantemente sem qualquer controle.
Sem saber se é só um sonho insistente ou uma alucinação de meu ser decadente, continuo a esperar pelas horas, infinitas e dolorosas, me apagando ..
.. sua marca, uma promessa, o destino.